quarta-feira, 3 de junho de 2015

Músicos Livres e Escravos no Império do Brasil

A maioria de nós considera que aprender música é importante, até fundamental, para uma boa educação. Não quer isso dizer que todo mundo deveria fazer música como profissão, até porque a maioria das pessoas ou não tem talento natural para isso, ou não tem a disposição necessária aos longos (e muitas vezes) cansativos estudos requeridos para a formação de um executante. A questão é aprender alguma coisa que possibilite cantar e/ou tocar pelo prazer de fazê-lo, desenvolvendo, igualmente, a capacidade de apreciação. 
Ora, senhores leitores, devo dizer-lhes, no entanto, que, no Brasil, o aprendizado de música já teve um outro aspecto.
É verdade: pelas alturas do Século XIX, esperava-se que moças e rapazes de alta posição social tivessem conhecimentos suficientes para tocar, ao piano, peças de Beethoven ou Chopin nas reuniões com familiares e amigos, sendo também desejável que aprendessem um pouco de canto lírico. A essas habilidades concedia-se, na época, mais ou menos a mesma importância dada à aprendizagem de francês. Quem não tinha ditos atributos era visto como grosseiro, pouco civilizado, sem fineza, mesmo. Pior seria ainda o defeito se ocorresse em uma jovem...
Nem toda música, porém, vinha dos profissionais (nos teatros) ou dos filhos da nobreza imperial. Em muitas fazendas, para garantir a sonoridade dos bailes nos quais latifundiários ostentavam seu poderio econômico, havia uma banda ou simulacro de orquestra - formada por músicos que eram escravos.
Relatando uma "festa de batizado" que presenciou em Vila Bela, Hércules Florence, desenhista francês que acompanhou a Expedição Langsdorff, observou:
"No dia do batizado tudo foram festas. Os músicos da fazenda que eram negros cativos tocaram desde a aurora árias debaixo das janelas da casa e passearam em bando ao redor do pátio grande." (¹)
Em um romance ambientado em uma fazenda do Vale do Paraíba, nos dias de D. Pedro II, José de Alencar escreveu:
"A ausência de Mário diminuiu o prazer e alegria da festa; mas não transtornou o programa. Principiou o banquete e prolongou-se até a noite ao som da banda de música dos pretos da fazenda, que tocava quadrilhas e valsas." (²)
Não há como saber, ao certo, qual era o nível de conhecimento musical dos escravos-músicos (ou músicos-escravos...). Uma vez que eram raríssimos aqueles que sabiam ler e escrever (³), era pouco provável que muitos deles fossem capazes de ler uma partitura. 
Essa era a situação no Império. No entanto, quando observamos fotografias antigas de corporações musicais, pouco posteriores à Abolição (1888), logo percebemos que vários de seus integrantes deviam ser ex-escravos ou seus descendentes, algumas vezes atuando junto a músicos imigrantes de origem europeia. Novos estilos musicais estavam, portanto, em fermentação, como recurso para exprimir as vivências da nascente estrutura social livre e urbana que ganharia forças ao longo das décadas seguintes.

(1) FLORENCE, Hércules Viagem Fluvial do Tietê ao Amazonas de 1825 a 1829
Brasília: Ed. Senado Federal, 2007, p. 186
(2) ALENCAR, José M. de O Tronco do Ipê
(3) Em geral os senhores consideravam que era um absurdo ensinar um escravo a ler; isso poderia torná-lo esperto demais e, talvez, mais qualificado a organizar uma rebelião.

2 comentários:

  1. No caso dos escravos, a selecção de músicos devia ser feita com base no talento natural e ouvido musical, até porque a música seria um paliativo para a vida dura que levavam. O facto do ser humano necessitar de algum tipo de arte, mesmo quando a sobrevivência não é garantida, diz muito sobre ele.
    Beijinhos
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Músicos escravos das fazendas não deviam ter grandes oportunidades com seu talento (embora, para algum ensaio, talvez tivessem a jornada de trabalho pesado reduzida); já os que viviam perto de vilas ou cidades podiam, às vezes, desde que o senhor consentisse, ganhar algum dinheiro nas poucas horas de folga, se tocassem em festas ou bailes.

      Excluir

Democraticamente, comentários e debates construtivos serão bem-recebidos. Participe!
Devido à natureza dos assuntos tratados neste blog, todos os comentários passarão, necessariamente, por moderação, antes que sejam publicados. Comentários de caráter preconceituoso, racista, sexista, etc. não serão aceitos. Entretanto, a discussão inteligente de ideias será sempre estimulada.