quarta-feira, 13 de julho de 2016

Impressores, Encadernadores e a Revolução dos Livros

Impressores trabalhando no Século XVI (¹)
Se você vivesse na Idade Média, leitor, e quisesse comprar um livro, precisaria encomendar uma cópia, que seria feita à mão. O tempo de espera, portanto, dependia, entre outros fatores, do tamanho do livro desejado.
Como o processo de cópia era lento e o material usado era dispendioso, os livros custavam caro, e poucos podiam pagar por eles. Isso, afinal, não era um grande problema para as "pessoas comuns", porque a maioria delas não sabia ler e, portanto, livros, para elas, eram objetos inúteis. Estudantes e mesmo eruditos precisavam recorrer às bibliotecas de conventos e universidades. Uma coleção que tivesse duzentos ou trezentos títulos já era bastante respeitável. Não deve causar espanto que, nesse tempo, em algumas bibliotecas os livros fossem presos a correntes que, por sua vez, eram ligadas às paredes. Isso evitava que algum estudioso apaixonado tentasse levar livros para casa, a despeito das dimensões pouco práticas das cópias manuscritas, com encadernações de couro e pesados fechos de bronze.
Tudo mudou a partir da invenção da prensa com tipos móveis. Correm histórias alternativas para esse acontecimento, mas foi Gutenberg quem conseguiu dar à imprensa um uso realmente viável em larga escala. Seu trabalho era limpo, rápido - para os padrões da época - e, embora os livros ainda fossem caros, eram muito mais acessíveis do que nos séculos precedentes, um feito que, em termos de importância, pode perfeitamente ser comparado ao descobrimento da América. Agora os livros eram fabricados em oficinas, nas quais novas profissões entravam em cena, destacando-se, entre elas, as de impressor e encadernador.
Cada página devia ser composta individualmente, mas, como os tipos ("letras") eram móveis, podiam ser reutilizados posteriormente para fazer outras páginas. Uma vantagem adicional é que, estando pronta a composição de uma página, podiam-se tirar tantas cópias quanto desejadas. Aplicava-se tinta à página, e, na prensa, um mecanismo relativamente simples (ponto para Gutenberg!), o texto era copiado em folhas de papel, que, em seguida, eram postas a secar. Tudo isso era trabalho do impressor.
Encadernadores fazendo seu trabalho em
uma oficina do Século XVI (²)
Depois que todas as páginas de um livro estavam impressas e secas, deviam ser juntadas - trabalho para o encadernador. Já havia quem fizesse essa tarefa antes da invenção da imprensa, mas dificilmente seria trabalho de tempo integral. Agora era diferente. Encadernadores tinham ampla ocupação, à medida que mais livros eram impressos e vendidos.
Simultaneamente, vieram à cena os comerciantes de livros, muitas vezes junto às próprias oficinas de impressores. Vendiam apenas as edições feitas ali mesmo, sendo, nesse aspecto, diferentes das livrarias como as conhecemos, nas quais são comercializadas obras das mais diversas editoras. Mas, convenhamos, era um grande progresso, principalmente se levarmos em conta que tudo isso acontecia em uma época - a do Renascimento - em que havia grande interesse pelas traduções de autores da Antiguidade Clássica (gregos e romanos), ao lado de uma expressiva produção original de autores que escreviam nos nascentes idiomas nacionais, deixando de lado a tradição de escrever apenas em latim. Novas ideias eram concebidas, escritas, impressas e postas a circular. Uma verdadeira revolução cultural, que não tardou a despertar preocupações no establishment religioso e monárquico. Procedimentos de censura não demorariam a aparecer.

(1) AMMAN, Jost Aller Stande auf Erden
Frankfurt: Georg Raben, 1568
(2) Ibid.

2 comentários:

  1. Esse Gutenberg merecia ganhar um Óscar. Não imagino a minha vida sem livros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também não, mas não é necessário que sejam de papel. Gosto dos e-books.

      Excluir

Democraticamente, comentários e debates construtivos serão bem-recebidos. Participe!
Devido à natureza dos assuntos tratados neste blog, todos os comentários passarão, necessariamente, por moderação, antes que sejam publicados. Comentários de caráter preconceituoso, racista, sexista, etc. não serão aceitos. Entretanto, a discussão inteligente de ideias será sempre estimulada.