quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Com Que Frequência os Escravos Mudavam de Roupa

Às vezes subestimamos a liberdade. Nem percebemos que esse bendito direito de fazer o que nos dá na telha (com algumas restrições, é claro), nem sempre existiu e, mesmo hoje, não é compartilhado por toda a humanidade. 
Escrava voltando da roça (¹)
O indivíduo que vivia na condição de escravo em uma fazenda no Brasil tinha a sua rotina diária estritamente regulada pelo proprietário e pelos comandos do feitor. Havia hora para acordar, para ir em fila ao trabalho, para as magras refeições, para voltar à sede da fazenda, para os trabalhos da noite, para se recolher à senzala (ainda que, lá dentro, nas habitações coletivas, a conversa, contrariado as regras, seguisse por várias horas). O controle era quase absoluto.
É verdade que todo senhor devia conceder descanso aos escravos aos domingos e feriados religiosos, mas é também verdade que nem todos os senhores assim procediam, e há registros de queixas amargas dos escravos que eram obrigados a trabalhar continuamente, em particular nos tempos coloniais. Muitos proprietários tinham verdadeira obsessão em impedir que os seus cativos tivessem oportunidades para encontros com escravos de outras fazendas, receando que tramassem alguma revolta. 
Os "regulamentos" para controlar a vida dos escravos iam ao ponto de determinar quando lhes seria permitido ou imposta a obrigação de mudar de roupa. Escreveu o segundo barão de Paty do Alferes:
"No domingo de manhã, deve o escravo vestir roupa lavada, e a suja deve na segunda-feira ir para a barrela  e enxaguar-se na terça. Quando por motivo de chuva molharem-se, devem os escravos mudar logo de fato, e estender mesmo na sua senzala o que se molhou, para o tornarem a vestir no dia seguinte, quando saírem para o serviço, pondo de reserva a outra muda." (²)
Tentem lembrar-se disso, leitores, quando mudarem de roupa meia dúzia de vezes em um só dia...
Há mais. A situação de terem dois conjuntos de roupas, descrita por Lacerda Werneck, era quase um luxo, coisa dos tempos imperiais, quando os costumes, bem ou mal, já andavam algo mais decentes. Com o produto das pequenas roças que plantavam para si mesmos, havia escravos que compravam alguma roupa extra, que podiam usar nos feriados e cerimônias da Igreja. Mas, se voltarmos ao Período Colonial, será fácil encontrar autores que não vacilavam em afirmar que os escravos andavam seminus, cobertos por verdadeiros andrajos, em particular quando trabalhavam em engenhos de açúcar. Não poucos religiosos eram enfáticos em lembrar aos senhores que as penas do inferno lhes eram devidamente asseguradas por não vestirem e alimentarem os escravos com o mínimo da caridade que se esperava de cristãos professos.
A situação dos escravos urbanos, quanto ao vestuário, também não era das melhores, pelo menos até o começo do Século XIX. Há desenhos e aquarelas de Thomas Ender, por exemplo, nos quais escravas podem ser vistas precariamente vestidas. No entanto, o estabelecimento da Corte no Rio de Janeiro, tanto no Período Joanino como após a Independência, acarretou uma gradual mudança de costumes, de modo que os escravos que viviam na capital do Império principiaram a aparecer em público trajados com alguma decência. Como muitas vezes acompanhavam seus senhores nas idas e vindas pela cidade, tomavam-se providências para que os cativos usassem roupas apresentáveis. Esses escravos eram, também, menos estritamente controlados quanto a horários. Percebe-se que a gradual urbanização, mesmo não sendo o fator decisivo, acabou por contribuir para que a ordem escravista fosse desmantelada.

Escravos urbanos, usando libré, conduzem sua senhora à missa em uma cadeirinha de arruar (³)
(1) RIBEYROLLES, Charles Brazil Pittoresco
Paris: Lemercier, 1861
O original pertence à BNDigital; a imagem foi editada para facilitar a visualização neste blog.
(2) WERNECK, Francisco Peixoto de Lacerda Memória Sobre a Fundação e Custeio de uma Fazenda na Província do Rio de Janeiro 2ª ed.
Rio de Janeiro: Laemmert, 1863, pp. 39 e 40
(3) __________ Brasilian Souvenir
Rio de Janeiro: Ludwig & Briggs, 1845
O original pertence à BNDigital; a imagem foi editada para facilitar a visualização neste blog.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Democraticamente, comentários e debates construtivos serão bem-recebidos. Participe!
Devido à natureza dos assuntos tratados neste blog, todos os comentários passarão, necessariamente, por moderação, antes que sejam publicados. Comentários de caráter preconceituoso, racista, sexista, etc. não serão aceitos. Entretanto, a discussão inteligente de ideias será sempre estimulada.