quarta-feira, 25 de maio de 2016

O Trabalho das Lavadeiras na Capital do Império do Brasil

Mulher lavando roupa, de acordo com James Wells Champney, 1860 (¹)

"Caminhamos para o fundo. Passamos o lavadouro; ele parou um instante aí, mirando a pedra de bater roupa e fazendo reflexões a propósito do asseio; depois continuamos."

Machado de Assis, Dom Casmurro

Esqueça as eficientes lavadoras eletrônicas - você está agora no Século XIX, leitor, e a roupa suja não será, de jeito nenhum, lavada em casa, ao menos se você for um sujeito de certa importância.
Lavar, passar e engomar a roupa era trabalho para escravas, mas que podia também ser feito por mulheres pobres e de condição livre, em troca de um modesto pagamento. 
Na imagine, porém, como regra, a existência de uma lavanderia doméstica. A roupa era lavada, quase sempre, em pequenos riachos, nas imediações das casas ou nos arredores da cidade. Lavadeiras iam juntas a determinados lugares para lavar a roupa e colocá-la para secar ou alvejar, aplicando técnicas da época.
Em Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado de Assis apresenta, logo nas primeiras páginas, o tio João, personagem de vida e linguagem nada imaculadas, que apreciava dar dois dedos de prosa com as escravas encarregadas de lavar a roupa. É o próprio Brás Cubas, o autor-defunto ou defunto-autor, quem conta:
"Em casa, quando lá ia passar alguns dias, não poucas vezes me aconteceu achá-lo [o tio João], no fundo da chácara, no lavadouro, a palestrar com as escravas que batiam roupa; aí é que era um desfiar de anedotas, de ditos, de perguntas, e um estalar de risadas, que ninguém podia ouvir, porque o lavadouro ficava muito longe de casa. As pretas, com uma tanga no ventre, a arregaçar-lhes um palmo dos vestidos, umas dentro do tanque, outras fora, inclinadas sobre as peças de roupa, a batê-las, a ensaboá-las, a torcê-las, iam ouvindo e redarguindo as pilhérias do tio João, e a comentá-las de quando em quando com esta palavra:
- Cruz, diabo!... Este sinhô João é o diabo!"
Para os naturais da terra tudo isso poderia soar como a coisa mais normal deste mundo. Estrangeiros é que olhavam com curiosidade, talvez mesmo com espanto, para o modo como a elite do Império garantia o uso de roupas limpas. Daniel P. Kidder, pastor e missionário metodista que viveu alguns anos no Brasil durante o Período Regencial, fez observações interessantes sobre o modo como trabalhavam as lavadeiras que teve a oportunidade de ver em ação, durante um passeio a cavalo que fez ao Corcovado:
"Límpido arroio saltita no fundo de um precipício cavado nas fraldas do Corcovado. Passeando-se pelas margens podem-se contemplar inúmeras lavadeiras dentro d'água batendo roupa sobre as pedras que se sobrelevam à corrente. Muitas delas saem da cidade pela manhã, com enorme trouxa sobre a cabeça, e voltam à tarde com toda ela já lavada e enxuta. Em diversos lugares veem-se pequenos fogões improvisados onde preparam as refeições, e grupos de crianças brincando pelo chão, algumas das quais já grandinhas, correm atrás das mães. As menores, porém, vão penduradas às costas das escravas sobrecarregadas com a mala de roupas." (²)

Lavadeiras do Rio de Janeiro (³)
Já veem os leitores que, como disse ao princípio, ao menos nos dias do Império, roupa suja não era mesmo lavada em casa. Gracejos à parte, o fim da escravidão forçou uma mudança de mentalidade. Embora muita gente ainda contratasse os serviços de uma lavadeira, gradualmente ganhou espaço a ideia de que, afinal, seria muito mais higiênico se as roupas fossem lavadas e passadas dentro de casa, de preferência por alguém da própria família (⁴), com essa ou aquela marca de sabão, cuja propaganda aparecia nos jornais e nas revistas da época - uma prova de que é possível achar argumentos para quase tudo, principalmente quando interesses (comerciais ou não) estão em jogo.
Não nos esqueçamos também de que, para lavar a roupa em casa, era preciso existir um suprimento regular de água, muito diferente do velho sistema em que escravos traziam-na dos chafarizes ou aguadeiros andavam a vendê-la pelas ruas. A gradual implantação de redes de abastecimento, primeiro nas grandes cidades e, mais tarde, nas menores, forneceu a base para que os velhos costumes quanto à lavagem da roupa sofressem uma reviravolta, ainda que, em não poucos lugares, poços de uso doméstico tenham sido, também, por bastante tempo, uma solução a ser levada em conta.

Propaganda de sabão na revista A Lua, 1910 (⁵)
(1) O original pertence à BNDigital; a imagem foi editada para facilitar a visualização neste blog.
(2) KIDDER, Daniel P. Reminiscências de Viagens e Permanência no Brasil
Brasília: Senado Federal, 2001, pp. 111 e 112
(3) ________ Brasilian Souvenir
Rio de Janeiro: Ludwig & Briggs, 1845
O original pertence à BNDigital; a imagem foi editada para facilitar a visualização neste blog.
(4) Para que isso fosse possível, o modo como as residências eram construídas precisou sofrer alterações significativas.
(5) A LUA, Ano I, nº 10, Março de 1910.

4 comentários:

  1. Num tempo em que a água dos riachos era pura, devia ser uma delícia passar uma tarde a tratar da roupa, com as crianças em volta a brincarem e o tagalerar das mulheres. Certamente, as escravas preferiam essa tarefa a andarem no campo, sob o chicote dos feitores.
    O mesmo costume, primeiro em riachos, depois em tanques públicos, perdurou durante vários séculos em Portugal.
    Abraço, Marta
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tenho dúvida de que era melhor que trabalhar em alguma fazenda, sob sol intenso e com uma enxada na mão. Mas o processo de lavagem e branqueamento da roupa era, naqueles tempos, bastante trabalhoso. Além disso, sempre era escravidão, uma coisa má em si mesma.

      Excluir
  2. Já está na hora de acabar com esses jargões repetitivos mentirosos que os
    esquerdistas da republica criaram no brasil,os negros e mulatos (forros)
    também tinham escravos,ricos e pobres também tinham.A escravidão no BR foi
    menos cruel do que em outros países.A escravidão era praticada no mundo todo
    e não só no Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por sua visita ao blog. Vamos aos fatos, que não dependem da orientação política de quem quer que seja:

      a) É verdade que libertos também tinham escravos;

      b) É verdade que, no Brasil, pessoas pobres procuravam ter pelo menos um escravo ou escrava para os trabalhos domésticos - isso contribuiu severamente para que o trabalho fosse visto como algo degradante (aconteceu em todas as sociedades escravistas, desde a Antiguidade, e não apenas no Brasil);

      c) Não é verdade que a escravidão foi menos cruel no Brasil - veja, nos posts relativos a esse assunto, como era a vida dos escravos nos engenhos de açúcar no Período Colonial, para uma visão mais ampla desta questão;

      d) Havia senhores mais "humanos" e mais cruéis, sim, mas isto não tornava a escravidão um bem - é sempre mau e errado que um ser humano tenha o direito de propriedade sobre a vida de outro, independente de tempo e lugar;

      e) Um balanço honesto das consequências da escravidão, quer na Antiguidade, quer nos tempos modernos, mostra que ela, por suas consequências, sempre foi ruim. Não houve e jamais haverá escravidão boa.

      Excluir

Democraticamente, comentários e debates construtivos serão bem-recebidos. Participe!
Devido à natureza dos assuntos tratados neste blog, todos os comentários passarão, necessariamente, por moderação, antes que sejam publicados. Comentários de caráter preconceituoso, racista, sexista, etc. não serão aceitos. Entretanto, a discussão inteligente de ideias será sempre estimulada.