quarta-feira, 6 de agosto de 2014

A Reação dos Índios a Animais Desconhecidos

Os primeiros cavalos trazidos por espanhóis à América causaram não pouco espanto entre os povos ameríndios, habituados a animais muito menores. Entende-se, inclusive, que o uso de cavalos em combate foi, para os espanhóis, uma vantagem decisiva na chamada "conquista da América", ao lado do emprego de armas de fogo.
Parece, no entanto, que as coisas transcorreram com mais suavidade quando da chegada da esquadra de Cabral ao Brasil. A Carta escrita por Pero Vaz de Caminha trata explicitamente da reação de jovens índios aos animais que vinham na embarcação do comandante:
"Mostraram-lhes um papagaio pardo que o capitão traz consigo. Tomaram-no logo na mão e acenaram para a terra, como se os houvesse ali."
Como se os houvesse ali... Papagaios? Sim, mas não pardos. Verdes, vermelhos, amarelos, azuis. Multicoloridos, enfim. Vê-se, pois, que papagaios, ou melhor, psitaciformes em geral, independente da coloração das penas, jamais seriam um problema para o relacionamento com os portugueses.
Vamos em frente. A seguir, ainda de acordo com Caminha, foi-lhes apresentado um animal maior, um carneiro:
"Mostraram-lhes um carneiro, mas não fizeram caso dele."
Não havia carneiros no Continente Americano. Ainda assim, o exemplar mostrado, ao menos nessa ocasião, não chegou a ser uma grande surpresa, pelo que se pode inferir. O bicho devia ser pacífico e não era, nem de longe, grande como um cavalo. Não assustava, portanto.
Porém... Logo foi apresentado um outro ser vivo, capaz de gelar o sangue dos rapazes ameríndios:
"Mostraram-lhes uma galinha, mas quase tiveram medo dela e não lhe queriam pôr a mão. Depois lhe pegaram, mas como espantados."
Para concluir, fica aqui a resposta a uma pergunta que deve andar pela cabeça de alguns dos leitores, e que deixo subentendida: carneiros e galinhas viajavam na esquadra de Cabral (e em muitas outras) como comida ambulante. Era isso que faziam na embarcação, razão pela qual foram devidamente apresentados aos habitantes do Brasil.


2 comentários:

  1. Olá Marta, o seu blog precisa ser mais conhecido devido a tantas informações importantes. Minha opinião. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra falar a verdade, nunca pensei muito em fazer divulgação. Não, não é por preguiça. Circunstancialmente, tenho enfrentado um monte de trabalho ao longo desses quase cinco anos de existência do blog e, aí, já sabe: não depende da minha escolha.
      Não estou sendo engraçada, mas eu também acho que o conteúdo do blog História & Outras Histórias tem sua importância. O problema é que, para se interessar por ele, o leitor precisa ter alguma instrução, gostar de História, ter foco em questões culturais. E aí, minha amiga, você já sabe: esbarramos no problema da escolaridade no Brasil.
      Já me sugeriram escrever as mesmas coisas, mas em inglês. Talvez até fosse interessante, mas vou continuar a ser a teimosa de sempre. Tenho um certo público, de muito bom nível, e fico feliz com isso.
      Afinal, quem sabe algum dia as coisas mudam, e ainda veremos mais gente que fala português e interessada em História, não é mesmo?

      Excluir

Democraticamente, comentários e debates construtivos serão bem-recebidos. Participe!
Devido à natureza dos assuntos tratados neste blog, todos os comentários passarão, necessariamente, por moderação, antes que sejam publicados. Comentários de caráter preconceituoso, racista, sexista, etc. não serão aceitos. Entretanto, a discussão inteligente de ideias será sempre estimulada.