quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Pães de Açúcar

No processo de purificação empregado nos engenhos coloniais, o açúcar era colocado em formas de barro, assim descritas por Antonil:
"São as formas do açúcar uns vasos de barro queimado na fornalha das telhas, e têm alguma semelhança com os sinos, altas três palmos e meio, e proporcionalmente largas, com maior circunferência na boca e mais apertadas no fim, aonde são furadas, para se lavar e purgar o açúcar por este buraco. Vendiam-se por quatro vinténs, salvo se a falta delas e o descuido de as procurar a seu tempo lhes acrescentasse o valor.
O serem de ruim barro, e mal queimadas, é defeito notável, como também o serem pequenas. As boas são capazes de dar pães de três arrobas e meia." (*)
Como se sabe, no século XVII holandeses fizeram tentativas de estabelecer-se no Nordeste brasileiro, que era, então, a mais rica região produtora de açúcar. Fracassaram, é verdade, mas, para fazer-lhes justiça, é necessário dizer que demonstraram um interesse artístico e científico pelo Brasil como, até então, os colonizadores portugueses não haviam tido. Com Nassau vieram estudiosos que procuraram observar e compreender a natureza tropical, retratando-a em descrições e imagens, que foram, em alguns casos, publicadas em livros. Uma dessas obras que chegaram a ser editadas foi Historia Naturalis Brasiliae, de Willen Pies (também chamado Piso) e Georg Markgraf. Ora, neste livro há a imagem de um engenho, na qual retrata-se justamente o trabalho de colocação do açúcar nas tais formas de barro, para que fosse purificado (ou purgado, como então se dizia):


Colocação do açúcar em formas de barro, conforme se fazia nos engenhos coloniais (**)

É interessante observar que o europeu retratado a supervisionar a tarefa não está vestido como um lusitano, mas sim como um holandês!
Uma vez purificado, o açúcar era retirado das formas, apresentando então o aspecto de grandes pães, por isso chamados "pães de açúcar".
Quantos desses pães de açúcar um engenho chegava a produzir semanalmente? É, mais uma vez, Antonil quem responde:
"Faz um engenho real (...), se a cana render bem, cada semana solteira (***), perto e passante de duzentos pães de açúcar, mas se não render, apenas dá cento e vinte." (****)

 
(*) ANTONIL, André João (ANDREONI, Giovanni Antonio) Cultura e Opulência do Brasil por Suas Drogas e Minas
Lisboa: Oficina Real Deslandesiana, 1711, p. 75
(**) PIES(PISO), Willen e MARKGRAF, Georg Historia Naturalis Brasiliae
Amsterdam: Ioannes de Laet, 1648
(***) Dizia-se "semana solteira" aquela que não tivesse dias santos (feriados).
(****) ANTONIL, André João (ANDREONI, Giovanni Antonio) Cultura e Opulência do Brasil por Suas Drogas e Minas
Lisboa: Oficina Real Deslandesiana, 1711, p. 76


Para ler mais sobre este assunto, acesse:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Democraticamente, comentários e debates construtivos serão bem-recebidos. Participe!
Devido à natureza dos assuntos tratados neste blog, todos os comentários passarão, necessariamente, por moderação, antes que sejam publicados. Comentários de caráter preconceituoso, racista, sexista, etc. não serão aceitos. Entretanto, a discussão inteligente de ideias será sempre estimulada.