terça-feira, 19 de julho de 2011

Os Senhores Que Mantinham Seus Filhos Como Escravos

Nossa sociedade dá como certo e natural o vínculo de afeto entre pais e filhos. Olha-se com horror para casos de abandono de recém-nascidos ou de pais idosos, embora esses fatos lamentáveis estejam cada vez mais frequentes. Mas, nem sempre foi assim. Em muitas sociedades costumava-se deixar viver apenas os bebês saudáveis (oh, Esparta!) e entre diversos povos os idosos, que já não tinham como contribuir com a vida comunitária, eram abandonados em lugares ermos, para morrerem longe das vistas de seus parentes. O fato é que séculos e séculos de moral judaico-islâmico-cristã nos conduziram a pensar no cuidado de pequeninos e velhos como atos de amor, além de estrita obrigação.
Desvios desse comportamento, no entanto, sempre existiram. É o caso dos senhores de escravos no Brasil que, tendo filhos com suas escravas, conservavam cativa a prole resultante desses relacionamentos. É o que sugere Antonil em Cultura e Opulência do Brasil Por Suas Drogas e Minas (*):
"E contudo eles e elas da mesma cor (**), ordinariamente levam no Brasil a melhor sorte, porque com aquela parte de sangue de brancos que têm nas veias e talvez de seus mesmos senhores, os enfeitiçam de tal maneira, que alguns tudo lhes sofrem, tudo lhes perdoam, e parece que se não atrevem a repreendê-los, antes todos os mimos são seus."
Faz, todavia, uma ressalva:
"... salvo quando por alguma desconfiança ou ciúme, o amor se muda em ódio, e sai armado de todo o gênero de crueldade e rigor."
Não cabe aqui, por hora, discutir eventual preconceito contido nessa asseveração do jesuíta Antonil. No século XIX Saint-Hilaire, naturalista francês, deparou-se com a mesma questão e registrou:
"É, pois, imperioso reconhecer que o número de mulatos cresceu, não somente pela união dos mestiços dos dois sexos, como, também, por um contingente de filhos de negras com brancos, pelo que se pode afirmar que existiam homens livres de nossa raça, de alma bastante cruel para deixar os próprios filhos sujeitos à escravidão." (***)
Ora, pensará o leitor, por que razão os todo-poderosos senhores de engenho não alforriavam os filhos provenientes dessas uniões com escravas? Maldade? Eventualmente, até podia ser, mas esse não era o único aspecto envolvido.
A lista de motivos para que a alforria não ocorresse incluía desde os ciúmes da esposa, passando por preconceito racial, constrangimento diante da sociedade (hipócrita o bastante para tolerar o adultério desses homens, o que às vezes podia incluir abusar sexualmente das escravas, mas incapaz de aceitar o reconhecimento dos filhos), receio de perturbar a "ordem" entre os escravos, (quase sempre submetidos a condições de vida extremamente degradantes), indo até à espinhosa questão do direito de herança, no contexto de uma sociedade absolutamente patriarcal, ao menos quanto ao princípio da autoridade.
Havia, porém, aqueles que, fosse por sentimento de humanidade, remorso ou, sabe-se lá, medo do inferno, deixavam em testamento o reconhecimento que não haviam ousado em vida, amparados no pressuposto de que aos mortos quase tudo se perdoa. Nesse caso, a tardia confissão vinha acompanhada de uma súplica aos descendentes no sentido de conceder alforria aos meios-irmãos, quase sempre sem qualquer obrigação, porém, de alguma outra providência. E isso não se restringia a filhos tidos com escravas africanas, mas passava também pelo caso de filhos provenientes de relações com índias escravizadas, como bem o demonstra a documentação do período colonial que ainda se conserva, principalmente no caso de São Paulo, onde os mamelucos (****) eram numerosos . Há testamentos nos quais simplesmente era ordenada a alforria, obviamente após a morte do testador, sem qualquer menção do motivo, o que poupava a família senhorial de maiores "constrangimentos", embora, sob essa situação, deva-se reconhecer que nem todos os casos incluíam problemas relativos à paternidade.


(*) Página 24 da edição original de 1711.
(**) Refere-se aos mestiços, no Brasil chamados mulatos.
(***) SAINT-HILAIRE, Auguste de Segunda Viagem a São Paulo e Quadro Histórico da Província de São Paulo / Brasília, Senado Federal, 2002, p. 224
(****) Refere-se aos descendentes de brancos e índios.


Para ler mais sobre este assunto, acesse:

2 comentários:

  1. Meu trisavô era senhor de escravos (Comendador Francisco Ribeiro Leite, de Lajinha, Minas Gerais) e descobri aos cinquenta e sete anos que minha trisavó não era a esposa legítima e sim uma de suas escravas. Pelo que me disse uma prima do meu pai, as terras onde a família sempre morou foram doadas pelo comendador `as duas filhas gêmeas, minha bisavó Julieta Maria de Jesus e Juliana Maria de Jesus, `as quais não deu o sobrenome. Meu bisavô, Joaquim Gomes Filho, genro do Comendador, cita a data de sua morte numa caderneta de anotações em que assentou todas as datas importantes, desde o seu nascimento, casamento, nascimento dos filhos, fundação de uma escola e outras. Fiquei curiosa por saber se há notícia de outros senhores de escravos que deixaram bens para os seus filhos ilegítimos com escravas...
    Estou escrevendo minhas memórias de infância num livro que está apenas num blog (cito estes pormenores na Parte II - História dos Ancestrais) de

    http://cidadedosvagalumes.blogspot.com

    Leonina Fortunato Heringer

    (meu email address é Leoninafortunatoheringer@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Leonina Heringer,
      Fui visitar seu blog, que é muito interessante.
      Quanto à questão dos filhos de senhores com suas escravas, o mais comum é que, em testamento, esses filhos fossem alforriados, ou seja, permaneciam legalmente escravos até que o pai morresse e então eram libertados. Era a saída mais cômoda para os senhores, porque não tinham que assumir em vida o relacionamento extraconjugal com uma cativa.
      Fazer testamento era, na época, muito comum, e era até visto como um dever religioso, já que no testamento eram feitas provisões para celebração de missas após a morte, etc.
      Embora não fosse extremamente comum, há casos conhecidos de senhores que deixavam bens para filhos ou filhas nascidos de escravas. É preciso levar em conta que a sociedade era, então, muito preconceituosa sob vários aspectos (daí, talvez, o fato de seu trisavô não ter dado o sobrenome às filhas), mas isso não impedia que houvesse alguma relação de afetividade com elas, que parece ser o caso.
      Estou mandando um e-mail para o endereço que você deixou aqui. Dê uma olhadinha em sua caixa postal.
      Obrigada por visitar História & Outras Histórias. Apareça por aqui mais vezes...

      Excluir

Democraticamente, comentários e debates construtivos serão bem-recebidos. Participe!
Devido à natureza dos assuntos tratados neste blog, todos os comentários passarão, necessariamente, por moderação, antes que sejam publicados. Comentários de caráter preconceituoso, racista, sexista, etc. não serão aceitos. Entretanto, a discussão inteligente de ideias será sempre estimulada.