quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Sobre Barquinhos de Papel e Grandes Navegações

Um dia desses, um menino de mais ou menos três anos veio na minha direção com uma folha de papel e pediu que eu fizesse um barquinho. Leitores, fiquei preocupada. Não tinha certeza de que ainda me lembrava de todas as dobras necessárias, mas, para não decepcionar o guri, peguei a folha e, disfarçando a indecisão, comecei a trabalhar.
Ufa!... Tudo saiu bem, mas o melhor foi ver, no momento da última dobra, que o rostinho do menino se iluminava. Talvez, para ele, fosse algo como mágica que a folha de papel virasse um barquinho. E lá se foi correndo, todo feliz, para lançar seu transatlântico nas águas revoltas da piscina.
Lembram-se daquelas bússolas que fazíamos na escola quando tínhamos uns oito ou nove anos? Uma vasilha com água, uma rolha, uma agulha friccionada em um imã - o mais incrível é que, toscamente, sempre funcionava. Os chineses afirmam que a primazia desse invento pertence a eles, como, de resto, afirmam em relação a quase tudo o que existe. O caso é que não poucos historiadores estão de acordo quanto à bússola ser invenção de algum lugar do Oriente, tendo chegado à Europa pela mão dos cruzados que voltavam da guerra. Como veem, é prudente reconhecer que, com absoluta certeza, não há quem saiba dizer quem foi o pai da criança, digo, desse invento que, devidamente aperfeiçoado, foi decisivo para libertar a humanidade da navegação de cabotagem. 
Não se deve imaginar que grandes navegações somente ocorreram depois da invenção da bússola, mas, até então, era preciso, por segurança, ir costeando o litoral. Cada vez que a coragem era maior que o medo, navegadores iam um pouco mais longe, o conhecimento aumentava e os desenhos rústicos que faziam do caminho seguido eram tratados como segredo de Estado. Foi assim desde a Antiguidade: segundo Heródoto (sempre ele...), marinheiros fenícios, a mando de um faraó, teriam contornado a África, saindo pelo Mar Vermelho e retornando pelo Mediterrâneo. Se isso for verdade, esse périplo africano deve ter acontecido mais de seiscentos anos antes de Cristo.
Mas sempre era navegação de cabotagem. Ir mais longe seria arriscadíssimo, ainda que técnicas de orientação baseadas na posição do sol e das estrelas estivessem, aos poucos, disponíveis. O que aconteceria, porém, com vários dias de tempo nublado? (*) A invenção da bússola, do astrolábio e, mais tarde, do sextante e de outros instrumentos náuticos, permitiu navegação sem as incertezas dos velhos tempos. O mar ainda era (e é) perigoso, tem lá suas surpresas nem sempre muito agradáveis, mas em tempo relativamente curto não sobrou, para ocupação dos descobridores, nenhuma terra desconhecida neste planeta. A solução para o tédio foi começar a exploração do espaço sideral.

(*) Esse era um dos grandes medos entre os navegantes da Antiguidade. Corria-se o risco de ficar em meio ao mar agitado, sem saber exatamente onde é que a embarcação estava. Não foram poucos os marinheiros que perderam a vida nessas circunstâncias. 

3 comentários:

  1. Olá Marta, seu blog é incrível!!
    Gostaria de uma ajuda, pois procuro ter acesso como surgiu o brinquedo pés de lata, para um trabalho do meu filho, você tem algo sobre isso?
    Desde já agradeço,fique com Deus Yara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Yara, obrigada por sua visita ao blog História & Outras Histórias.
      Existe uma tradição de que os "pés de lata" teriam surgido ainda na Antiguidade, e não para brinquedo: eram usados por pessoas que precisavam percorrer terrenos alagados quando havia chuvas muito fortes, ou mesmo em áreas pantanosas. Admitindo que essa seja a origem, precisamos considerar que não podiam ser feitos de lata, um material então inexistente. Deviam, então, ser construídos com cordões presos a blocos de madeira ou de cerâmica, materiais cujo uso era já dominado pelos antigos.
      Até onde eu saiba, isso é somente uma tradição. Pode ser que exista algum documento histórico, escrito ou iconográfico, que comprove essa origem, mas eu não conheço. De qualquer modo, considero uma explicação perfeitamente aceitável.
      Já quanto ao uso especificamente de latas, é fácil perceber que, no Brasil, o brinquedo ganhou a carinha que tem hoje à medida que o uso de leite em pó (comercializado em latas), veio a ser popularizado. Muito antes que ambientalistas incentivassem a reutilização de embalagens, as crianças encontraram uma utilidade para elas...
      Um grande abraço, tenha uma ótima tarde.

      Excluir

Democraticamente, comentários e debates construtivos serão bem-recebidos. Participe!
Devido à natureza dos assuntos tratados neste blog, todos os comentários passarão, necessariamente, por moderação, antes que sejam publicados. Comentários de caráter preconceituoso, racista, sexista, etc. não serão aceitos. Entretanto, a discussão inteligente de ideias será sempre estimulada.