domingo, 26 de janeiro de 2014

Vida de Tropeiro

Os tropeiros que viajavam pelo Brasil dirigindo os bandos de mulas que transportavam mercadorias, tanto as destinadas ao consumo interno como as que seguiam para exportação, precisavam, ao fim de cada jornada, encontrar um lugar onde pudessem preparar uma refeição e abrigar-se durante a noite. Esse lugar era o pouso de tropeiros.
Não poucas cidades brasileiras têm sua origem relacionada a esses modestos galpões (no melhor dos casos), que não consistiam, em absoluto, em um tipo de hotel: se eram bons, apresentavam-se mais ou menos limpos e cobertos de telhas. Os péssimos tinham coberturas menos confiáveis e eram imundos. Quase sempre pertenciam a algum fazendeiro do lugar, que, aliás, lucrava bastante com a famigerada venda que mantinha ao lado, na qual os produtos disponíveis, quase sempre de qualidade bastante discutível, eram oferecidos a preços escorchantes.
Mas não eram apenas os tropeiros e suas mulas que paravam nos ranchos. Esses abrigos eram, geralmente, a única opção para outros viajantes, fossem eles ricos ou pobres. Também não era incomum a presença de militares que escoltavam os Reais Quintos de Sua Majestade.
Assim, pode-se dizer que um rancho de tropeiros era um espaço algo "democrático" para a época: nele pousavam todos os viajantes que, ao entardecer, achavam-se em viagem por uma dada região e que não pudessem encontrar refúgio em casa de algum conhecido, de modo que sob um mesmo teto reuniam-se homens livres e escravos, gente de origem europeia, africanos ou seus descendentes e índios.
Ninguém, no entanto podia esperar muito conforto. O quase sempre rabugento Saint-Hilaire, naturalista francês que esteve no Brasil pela época da Independência, registrou, em certa ocasião, suas ideias sobre o "cuidado extremo" que o governo (sempre ele...) tinha com a conservação desses locais de pouso:
"Aquele a que chamam Rancho Grande não podia ter nome mais adequado porque incontestavelmente é o maior dos que vi desde que estou no Brasil. É coberto de telhas, bem conservado, alto acima do solo e cercado de balaustrada.
O dono é um homem imensamente rico, possuidor do mais importante cafezal da redondeza. Por um rancho sofrível que se encontra há, no mínimo, dez no mais deplorável estado. Os proprietários os alugam, com a venda contígua, por preços muito altos, e pouco se lhes dá que neles chova por todos os cantos. Tenho quase tanto medo da chuva quando estou num rancho do que quando fora. É verdadeiramente inconcebível que o governo não tome alguma providência a tal respeito e tampouco do que tanto interessa ao comércio, a ponto de nem proporcionar aos que transportam mercadorias pelas mais frequentadas estradas, lugares onde as possam abrigar à noite, sem temer que a chuva as avarie." (¹)
Note-se que, desde a época da mineração, os ranchos tinham-se feito necessários por toda a rota do chamado "Caminho das Minas", e nem por isso a condição deles era lá muito boa. Alguns, no entanto, podiam ser um pouco melhores. Antonil, por exemplo, referindo-se ao Caminho Novo das Minas, relatou haver um rancho importante nas proximidades do rio Paraibuna:
"Daqui se passa ao rio Paraibuna em duas jornadas, a primeira no mato e a segunda no porto, onde há roçaria e venda importante, e ranchos para os passageiros de uma e outra parte. É este rio pouco menos caudaloso que o Paraíba: passa-se em canoa." (²)
À noite, depois que se acomodava a bagagem, provia-se alimento para os animais e os homens e, então, não raro os tropeiros tinham lá seu momento de lazer. É o que se depreende deste relato de Hércules Florence, referindo-se às tropas que se reuniam em Cubatão:
"Acontece que quando muitas delas ali se reúnem, os camaradas se congregam todos para dançarem e cantarem a noite inteira o batuque. Gritam a valer e com as mãos batem cadencialmente nos bancos em que estão sentados. Assim se divertem." (³)

Rancho para pouso de tropeiros de acordo com gravura de M. Rugendas (⁴)

(1) SAINT-HILAIRE, A. Segunda Viagem a São Paulo e Quadro Histórico da Província de São Paulo
Brasília: Ed. Senado Federal, 2002, p. 122
(2) ANTONIL, André João (ANDREONI, Giovanni Antonio) Cultura e Opulência do Brasil por Suas Drogas e Minas
Lisboa: Oficina Real Deslandesiana, 1711, p. 165
(3) FLORENCE, Hércules Viagem Fluvial do Tietê ao Amazonas de 1825 a 1829
Brasília: Ed. Senado Federal, 2007, p. 3
(4) RUGENDAS, Moritz Malerische Reise in Brasilien
Paris: Engelmann, 1835
O original pertence à Biblioteca Nacional; a imagem foi editada para facilitar a visualização neste blog.


Veja também:

3 comentários:

  1. Olá meu sobrinho de 9 anos está estudando esta fase da história, e nos debatemos com uma questão e não estamos encontrando a resposta, será que poderiam nos ajudar?
    A questão é: O que aconteceu com os pousos e ranchos dos caminhos para as minas ao longo do tempo?

    Já procuramos no livro de história dele, mais sem sucesso, estou tentando na internet e só encontro postagens como as que li acima, vc poderia nos ajudar?

    ResponderExcluir
  2. Meu sobrinho de está estudando essa fase da história, está fazendo um trabalho que tem uma unica questão que não estamos encontrando, que seria:
    O que aconteceu com os pousos e ranchos dos caminhos para as minas, usados no século XVIII lá pelo ano de 1835, por viajantes e escravizados, ao longo do tempo ? Poderiam nos ajudar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Darcy Vargas,

      Recebi um aviso de comentário no blog antes das 13 horas, mas estava longe daqui e não tinha como responder. Nesses casos urgentes você pode usar o e-mail do blog (historiaeoutrashistorias@outlook.com), porque fica mais fácil dar uma resposta rápida.

      Vamos à dúvida de seu sobrinho. Como você não citou nenhum rancho ou pouso de tropeiros em particular, vou dar uma resposta genérica, que deve atender ao conhecimento de um menino de nove anos.

      Muitos pousos tinham vendas ligadas a eles e, nesses locais em que havia ajuntamento de pessoas, surgiram povoações, algumas das quais chegaram a ser cidades importantes. Você encontra muitos casos assim ao longo dos caminhos que, a parir do Rio de Janeiro e Paraty, conduziam às Gerais; também há exemplos de várias cidades de São Paulo que nasceram de pousos de tropeiros, quer no caminho para as Gerais, quer na rota terrestre que conduzia às minas de Goiás. Alguns autores apontam certa coincidência entre rotas indígenas, rotas bandeirantes, rotas de tropeiros e, mais tarde, ferrovias, claro que respeitando a cronologia. Além disso, secundariamente, há casos de quilombos formados não muito longe dos pousos, por escravos que fugiam e/ou encontravam quilombolas eventualmente em alguma venda ao lado de um pouso.

      Então, para simplificar:
      - A mais importante sucessão dos pousos sãos as cidades que deles nasceram;
      - Algumas rotas ferroviárias e/ou rodoviárias seguiram, aproximadamente, os caminhos dos tropeiros e seus pousos;
      - Eventual desenvolvimento de quilombos, através de escravos que tinham contato com quilombolas nas vendas associadas aos pousos.

      Se entendi corretamente sua pergunta, a resposta está aí. Se precisar de mais esclarecimentos, não deixe de perguntar, ok?

      Excluir

Democraticamente, comentários e debates construtivos serão bem-recebidos. Participe!
Devido à natureza dos assuntos tratados neste blog, todos os comentários passarão, necessariamente, por moderação, antes que sejam publicados. Comentários de caráter preconceituoso, racista, sexista, etc. não serão aceitos. Entretanto, a discussão inteligente de ideias será sempre estimulada.