domingo, 15 de maio de 2011

Pena, Tinteiro, Papel e Teclado

Houve um tempo em que as (poucas) pessoas que escreviam usavam penas preparadas para isso - penas mesmo, de ave, geralmente penas de ganso, que eram consideradas as melhores. Além de serem de ganso, mandava a tradição que fossem, se possível, da asa direita, já que se acreditava que essas eram as de melhor qualidade. Acontece que, como instrumentos de escrita, as penas desgastavam-se rapidamente e precisavam ser refeitas ou substituídas. A invenção das penas de metal (um longo processo, principalmente ao longo do século XVIII) resolveu em parte o problema do desgaste, conservando-se nos novos instrumentos de escrita a forma básica das antigas penas, assim como, por metonímia, o nome.
Restava ainda a solucionar a questão de que, ao escrever, a pena necessitava, a cada instante, ser molhada em um tinteiro, o que contribuía para tornar a escrita irregular e extremamente morosa (embora eu às vezes me pergunte se isso não resultaria em uma vantagem, ao possibilitar maior tempo para reflexão sobre o que se escrevia). De qualquer modo, papel, naqueles tempos, era um artigo dispendioso que devia ser usado com sabedoria, para propósitos bem definidos e não para registrar garatujas imprestáveis. Quase todos haveremos de concordar que ainda precisamos dessa parcimônia, já não em virtude do preço, mas porque as árvores precisam viver.
A dificuldade com o reabastecimento de tinta começou a ser solucionada em fins do século XIX com a invenção (*) e gradual aperfeiçoamento das canetas-tinteiro, que tinham algum tipo de reservatório de tinta para garantir maior autonomia a quem escrevia. O problema nesse caso era o preço elevado que fazia delas, ao menos inicialmente, objetos de uso profissional e não uma ferramenta com a qual qualquer pessoa podia escrever. Os jovens escolares, por exemplo, continuaram, décadas afora, a escrever com a velha pena de metal, provocando, nas salas de aula, as frequentes, desastrosas e desastradas consequências que invariavelmente resultavam dos tinteiros entornados sobre as carteiras.
Há ainda a acrescentar que o crescimento nos índices de alfabetização em grande parte do mundo ao longo da primeira metade do século XX provocou uma nova demanda por instrumentos de escrita que fossem, simultaneamente, baratos e confiáveis, demanda essa que só viria a ser plenamente satisfeita com a popularização das canetas esferográficas, um invento dos anos quarenta que se popularizou ao longo dos cinquenta. Fato curioso a respeito das esferográficas e que vale a pena recordar é que o início de sua comercialização resultou em um fenômeno muito parecido (guardadas, evidentemente, as proporções do mercado consumidor da época), ao ocorrido recentemente em relação aos tablets, com filas de compradores ansiosos e todas as unidades postas à venda rapidamente esgotadas.
Quem ainda escreve à mão, com lápis ou caneta? Excetuando-se a criançada em idade escolar, é perfeitamente possível a alguém passar dias e até semanas sem colocar uma só letra no papel, servindo-se, em lugar disso, de meios virtuais de escrita. Ora, esse fato tem levado muitos educadores a questionar a necessidade de impor às crianças o aprendizado da escrita manual - com lápis e caneta - e consequentemente, da muitas vezes detestada caligrafia. Afinal, se apenas escrevemos com o uso de teclados (reais ou virtuais), porque deveríamos gastar o tempo precioso dos jovens educandos no aprendizado de um método de escrita claramente ultrapassado?
Essas não são questões para as quais temos respostas prontas e, por isso, toda a prudência precisa ser empregada. É verdade que, quando as esferográficas já eram populares e de baixo custo, resultando em escrita fácil, rápida e limpa, ainda havia estabelecimentos de ensino que exigiam de seus alunos o uso de penas (metálicas, por suposto) ou de canetas-tinteiro, para desgraça geral e dos canhotos em particular, a quem a escrita molhada, da esquerda para a direita, era um óbvio transtorno, daí a ideia estúpida, mas amplamente divulgada, de que "canhotos tinham letra feia", que ia a extremos em instituições que obrigavam os pequenos canhotos a escreverem como se fossem destros, ou seja, usando a mão direita. Não é, portanto, nenhuma surpresa que tantos professores torturassem alunos com métodos antiquados e nem que tantos alunos odiassem escolas e professores incapazes de compreender as vantagens de um avanço tecnológico tão evidente.
Como será em nossos dias? Só o tempo nos dará resposta, mas quando há dúvida, pode-se ao menos optar pela adoção de um modelo educacional que não seja omisso quanto às possibilidades das novas tecnologias, de modo que a transição seja feita da forma mais suave e intelectualmente estimulante possível.

Anúncio de caneta com depósito de tinta, Revista Echo Phonographico, janeiro de 1904

(*) Há controvérsias a respeito, mas geralmente tem-se o ano de 1884 como sendo o do registro da primeira patente de uma caneta que poderia, sem sombra de dúvida, ser considerada uma caneta-tinteiro.

2 comentários:

Democraticamente, comentários e debates construtivos serão bem-recebidos. Participe!
Devido à natureza dos assuntos tratados neste blog, todos os comentários passarão, necessariamente, por moderação, antes que sejam publicados. Comentários de caráter preconceituoso, racista, sexista, etc. não serão aceitos. Entretanto, a discussão inteligente de ideias será sempre estimulada.