domingo, 6 de janeiro de 2013

Árvores do Brasil - Parte 2

"... com a diferença que as miragens dos desertos da Arábia são produzidas pela luz; e as miragens de nossas matas virgens são o efeito da sombra nas horas mais esplêndidas deste clima brilhante."
                                                                                                                          José de Alencar, O Tronco do Ipê

Na postagem anterior mencionei o fato de que, devido à sua aplicação no fabrico de móveis, construção, etc., as árvores imensas, que compunham as matas em várias regiões do Brasil, foram sendo abatidas, sem que houvesse qualquer preocupação em, ao menos, assegurar o plantio de novos espécimes. É que muitas das espécies nativas do Brasil levam muitos anos para atingir o seu máximo desenvolvimento, e a sanha em cortar, vender e lucrar rapidamente não admitia semelhante "perda de tempo". Poucos espécimes gigantes restaram, e funcionam como lembrança daquilo que já foi, sem nenhuma perspectiva de tornar a ser.
Foi Varnhagen (1816 - 1878) quem escreveu:
"Neste clima se produziam e produzem todas essas plantas exóticas à Europa que, por sua utilidade, se fizeram conhecidas no comércio, começando pelo pau-brasil, e as madeiras de construção e marcenaria, como o jacarandá, o vinhático e piquiá de madeira amarela, os cedros e maçarandubas vermelhas, e outras não menos estimadas." (¹)
Pois bem, senhores leitores, na Floresta Nacional de Ipanema (²), nas proximidades de um lugar que Varnhagen certamente conheceu muito bem (em Iperó - SP), há ainda uma dessas árvores gigantes. Vejam a foto:

Tronco de árvore muito antiga na Floresta Nacional de Ipanema, em Iperó - SP (²)
Essa "arvorezinha" já estava lá muito antes de Varnhagen, e lá continua muito depois dele. Sua idade não se conta em anos ou décadas, mas em séculos!

(1) VARNHAGEN, F. A. História Geral do Brasil vol. 1, 2ª ed.
Rio de Janeiro: Laemmert, 1877, p. 9
(2) Se você ainda não conhece a Floresta Nacional de Ipanema não sabe o que está perdendo. Vá visitá-la, com familiares e/ou amigos. Para percorrer trilhas na mata é necessário a contratação dos serviços de um guia, por isso faça o agendamento com antecedência. Na imagem que acompanha este post aparece o guia Rafael, a quem agradeço o excelente atendimento e a gentileza de posar para a foto.


Veja também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Democraticamente, comentários e debates construtivos serão bem-recebidos. Participe!
Devido à natureza dos assuntos tratados neste blog, todos os comentários passarão, necessariamente, por moderação, antes que sejam publicados. Comentários de caráter preconceituoso, racista, sexista, etc. não serão aceitos. Entretanto, a discussão inteligente de ideias será sempre estimulada.