terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Cadeirinhas de Arruar - Parte 1

Quem Passeava em uma Cadeirinha de Arruar


Cadeirinha de arruar era exatamente o que o nome diz: uma cadeira, conduzida por escravos, na qual alguém era transportado pelas ruas de uma localidade. Esse "alguém" era quase sempre do sexo feminino. A cadeirinha tinha, em geral, alguma cobertura, que servia para manter o "transportado" (ou a transportada) longe dos olhos curiosos dos passantes, o que condizia perfeitamente com os costumes vigentes no Brasil Colonial, segundo os quais as mulheres "de bem", principalmente as casadas, viviam reclusas, sob estrita vigilância, tendo contato apenas com os parentes próximos e, eventualmente, com o padre confessor, ainda que, neste último caso, não poucos escritores da época recomendassem cautela (*). As gelosias (**), que permitiam ver sem ser visto (vista), eram um outro desses artifícios que se empregavam para isolar as mulheres de qualquer contato com quem não era membro da família. 


Mulher em cadeirinha, de acordo com Debret (****)

Passear em uma cadeirinha de arruar pressupunha, no entanto, um certo padrão econômico, pois era necessário dispor do número necessário de escravos para a tarefa, ou seja, pelo menos dois, dependendo do modelo de cadeirinha que se usava.
Em As Minas de Prata, José de Alencar fez referência às senhoras e senhoritas que iam à igreja em suas respectivas cadeirinhas: "...a igreja enchia-se de fiéis, e no adro viam-se já as cadeirinhas e palanquins que traziam à missa as donas e filhas dos ricos senhores da Bahia." E, pouco depois, na mesma obra: "O moço ia replicar, quando uma cadeirinha de cúpula dourada, que vinha das bandas do Terreiro do Colégio, carregada por dois negros vestidos à mourisca, com aljubas de lã escarlate, excitou vivamente sua atenção." (***)

 
(***) Quem ficou muito curioso só com esse trecho, tem um bom remédio: ler toda a obra!
(****) DEBRET, J. B. Voyage Pittoresque et Historique au Brésil vol. 3
Paris: Firmin Didot Frères, 1839 
O original pertence à Brasiliana USP; a imagem foi editada para facilitar a visualização.


Para ler mais sobre este assunto, acesse:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Democraticamente, comentários e debates construtivos serão bem-recebidos. Participe!
Devido à natureza dos assuntos tratados neste blog, todos os comentários passarão, necessariamente, por moderação, antes que sejam publicados. Comentários de caráter preconceituoso, racista, sexista, etc. não serão aceitos. Entretanto, a discussão inteligente de ideias será sempre estimulada.