terça-feira, 11 de dezembro de 2012

As Primeiras Moradias dos Colonizadores Portugueses no Brasil

Alguém de meus leitores já se perguntou quanto às moradias dos primeiros colonos que se estabeleceram no Brasil?
Óbvio, não havia nenhuma casa prontinha, esperando por eles, quando chegavam com suas embarcações, a alguma distância de terra, e então, em botes, eram conduzidos à praia. A primeira noite, com seus ruídos completamente desconhecidos, provenientes das matas ao redor, devia ser sempre assustadora. Construir, pois, um abrigo, que proporcionasse alguma segurança, era providência inadiável. A rapidez com que deviam ser erguidas e a inexistência de muitos dos materiais habitualmente empregados nos Reino tornavam as primeiras habitações coloniais um tanto precárias, embora, posteriormente, a situação tenha melhorado, conforme se vê pelo relato de Pero de Magalhães Gândavo, em sua História da Província de Santa Cruz a que Vulgarmente Chamamos Brasil (*), que se fez publicar em 1576, e na qual pode-se ler:
"E vindo ao que toca ao governo de vida e sustentação destes moradores, quanto às casas em que vivem, cada vez se vão fazendo mais custosas e de melhores edifícios, porque em princípio não havia outras na terra senão de taipa e térreas, cobertas somente com palma. E agora há já muitas sobradadas e de pedra e cal, telhadas e forradas como as deste Reino, das quais há ruas mui compridas e formosas, nas mais das povoações de que fiz menção."
Pela altura em que escreveu, Gândavo estava, talvez, sendo um pouco generoso em sua descrição, mas cuidou em expressar o palpite de que, num tempo relativamente curto, a Colônia estaria marcada por edifícios melhores e mais bem construídos:
"E, assim antes de muito tempo, segundo a gente vai crescendo, se espera que haja outros muitos edifícios e templos mui suntuosos, com que de todo se acabe nesta parte a terra de enobrecer."
O momento inicial da colonização, no entanto, não era para belas residências. Mais vantagem era erguer uma paliçada, com todo o reforço possível, que protegesse as frágeis casinhas de taipa dos ataques, aliás muito prováveis, que viriam por mar (da parte de piratas e corsários) e por terra (dos índios).
 
(*) Para quem deseja consultar essa obra, há uma edição recente do Senado Federal (2008), publicada em conjunto com o Tratado da Terra do Brasil, do mesmo autor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Democraticamente, comentários e debates construtivos serão bem-recebidos. Participe!
Devido à natureza dos assuntos tratados neste blog, todos os comentários passarão, necessariamente, por moderação, antes que sejam publicados. Comentários de caráter preconceituoso, racista, sexista, etc. não serão aceitos. Entretanto, a discussão inteligente de ideias será sempre estimulada.